terça-feira, 21 de agosto de 2012

Sítio Burle Marx

Ciao! 

Para quem nunca esteve neste paraíso, eu recomendo. E para quem já esteve, também. E se der, me chamem que eu vou junto.

Só conhecendo o sítio é possível ter noção da dimensão da obra e da vida de Roberto Burle Marx, paisagista, artista escultor e pintor, e colecionador de arte, desde a Arte Sacra à Arte Pré Colombiana, passando por cerâmicas do Vale do Jequitinhonha.

A visita é agendada para todos os dias, à exceção de Segundas, Domingos e Feriados, com horários às 09:30 e às 13:30. O passeio custa R$ 10,00 por pessoa e leva 2,5h, portanto, é imprescindível usar sapatos confortáveis, protetor solar, repelente e … fazer xixi antes.

Se for possível, vá de carro, pois ir de ônibus pode acabar em atraso e a visita começa no horário, com ou sem a presença de todos os inscritos. Mais informações no blog do sítio.

Agora, o passeio : começamos passando pela casa de pedra onde morou Guilherme Siegfried Marx, seu irmão e antigo co-proprietário do sítio.
Logo no estacionamento, somos recebidos por esta bela tumbeja!
A caminhada começa com a pithecolobium tortum, ou árvore jacaré.

A seguir a flor de jade...
... e as orquídeas...
... (esta dentro de um coquinho de sapucaia).

Depois, entramos no sombral Graziela Barroso (homenagem à Naturalista, a “1a. Dama da Botânica no Brasil”) para conhecer as mais variadas espécies de plantas :

comigo ninguém pode
musgo renda (renda portuguesa)
tinhorão
palmeira corypha
bastão do imperador
heliconia (ave do paraíso)
chifre de veado
pau ferro
Figueira centenária em jardim clássico de Burle Marx : diferentes tons de verdes e
folhagens com densidades diferentes sem, necessariamente, haver flor.
As agaves são originárias do México (tequilana, de onde se produz a tequila, sisalana de onde se extrai o sisal, polvo com o formato do molusco) e morrem assim que terminam de florescer; suas flores dão origem a outras plantas novas.
As eufórbias são comumente confundidas com os cactus, mas são da família das seringueiras, do aipim, ou seja, internamente possuem leite e não água.

Estas são somente algumas das plantas que existem no sítio. Ainda há uma enorme variedade que não publicarei aqui, para não perder a graça da visita e para o post não ficar imenso, como por exemplo :

- palmeira bismarckia;
- jasmim manga (flor cheirosa flor usada para fazer o colar havaiano);
- lança de São Jorge;
- espada de São Jorge;
- coité (fruto utilizado para fazer a cabaça do berimbau);
- ninféias (da mesma família das vitórias régias);

Ainda é possível conhecer a capela datada de 1681, os totens dos jardins, os fósseis descobertos no solo, as carrancas, os muros de pedras de demolição do centro do Rio de Janeiro. Em sua residência, pode-se apreciar sua enorme coleção de arte com obras a obras de Le Corbusier, Portinari (de quem foi assistente), Miguel dos Santos, em uma grande mistura de estilos.

Além do Atelier Casa (onde ele não chegou a habitar porque faleceu antes da conclusão da obra), que impressiona em termos de design e com uma decoração ímpar, há também um pavilhão chamado de Cozinha de Pedra, projeto de Haroldo Barroso e Rubens Breitman, que ganhou um prêmio do Instituto de Arquitetos do Brasil em 1963

Para finalizar, mais dois registros fotográficos :
xanthorrhoea (Austrália)
símbolo do sítio, a heliconia Burle Marx (ele encontrou cerca de 40 espécies, 23 levam seu nome)


Ciao!
fotos : Paulo Felipe Fucci

Nenhum comentário: