sexta-feira, 29 de julho de 2011

Jukebox

Ciao!

A página é feia, mas a idéia é sensacional : uma jukebox com as músicas que tocavam no rádio em determinado ano. Infelizmente, a usabilidade não é grandes coisas e, para escolher o ano, é preciso escrevê-lo na url.
Exemplo (1970, o que tocava no ano em que nasci):
http://upchucky.org/JukeCity/1970/OldJukes/player.htm

Vale a nostalgia!

Ciao!

Santos x Flamengo

Ciao!

Todos sabem que sou rubronegro de coração. E quando eu digo "de coração", não estou falando somente da paixão, mas também do órgão vital! Não dá pra ser rubronegro e ter coração fraco. Meu pai foi quem me levou pela primeira vez ao Maraca e, garoto, na época de Zico e Cia., não havia como não brotar um amor incondicional ao Mengão. Mas hoje em dia ele não assiste mais aos jogos, é muita emoção para um coração cansado (no bom sentido) de tantas glórias, tantos "Ai, Jesus" nos Fla-Flus da vida. Eu, então, virei um tipo de "correspondente especial", sempre ligando pra ele do Maraca ou do bar, noticiando mais uma vitória, ou até mesmo informando as parciais via SMS.

Na quarta-feira, fui tomar um chopp com dois amigos, um deles tricolor e, depois de pedirmos a conta, entramos em um táxi e... gol do Santos. Claro que já começaram as gozações  do tricolor... Cheguei em casa e comentei com minha esposa, rubro-negra roxa (porque acho que se cruzar vermelho e preto dá roxo), que já estava 1x0 pro peixe, e ela respondeu : não, amor, está 2x0. Enfim, troquei de roupa e me sentei para assistir ao jogo, ou melhor, ao terceiro gol do Santos. Via SMS, as gozações  do tricolor continuavam... Confesso que o iminente vexame, já previamente alardeado pelos pessimistas de plantão, começava a se tornar realidade.

Mas é nessa hora que é bom ser Flamengo. Só o Mengão poderia encarar aquele obstáculo com a serenidade que só o desespero proporciona. E lá fomos nós, atrás no placar, mostrar aos meninos da vila que Flamengo é Flamengo!

Ao término, enviei um SMS, para o tricolor primeiro, pra devolver as gozaçoes com o prazer de quem ri por último e, depois, para o meu pai, informando que eu sabia que ele não devia ter visto, mas que o nosso Mengão Fuderosão das Galáxias acabava de fritar o peixe em uma emocionante peleja, talvez a mais emocionante que eu me lembre nos últimos tempos, por um placar digno de uma partida de futebol como todas deveriam ser : 5 x 4. Logo depois, veio a resposta : meu filho, se eu tivesse assistido, não estaria aqui para te responder a este SMS! A resposta do tricolor nunca chegou...

Então, em homenagem ao meu Mengão, finalizo este post, não com palavras, mas com uma imagem. Uma imagem que vale mais que mil palavras!



Ciao!

Livros II

Ciao!

Que o Carpinejar não brigue comigo, mas dois livros furaram a fila do seu último, Borralheiro. A biografia do Lobão "50 Anos a Mil" que estou lendo agora (9º livro que estou lendo este ano, e parece ser ótimo) e "Toupeira : A História do Assalto ao Banco Central de Fortaleza".

Não é 100% a realidade dos fatos, porque nem tudo foi desvendado, mas é baseado em fatos reais e conta com a licença poética para o autor imaginar aquilo sobre o qual não foi possível conhecer a verdade. Narrativa eletrizante de Roger Franchini, ex-policial civil de São Paulo, advogado e autor de um dos mais antigos blogs policiais brasileiros, o Cultcoolfreak, que se debruçou sobre as fontes disponíveis para trazer ao público uma história fantástica de um roubo cinematográfico. Vale a pena conferir!

Ciao!