quarta-feira, 19 de novembro de 2008

O Rio que o Carioca merece

Ciao!

Rio de Janeiro, 17 de Novembro de 2008, por volta das 18:30. Escrevo diretamente do meu Smartphone Samsung que, diga-se de passagem, é ótimo! Mas isto é papo para outro post.

Chove muito no Rio, escrevo do interior do Ônibus de Integração do Metrô, que me leva ao Leblon e brinda a todos os passageiros com as belezas da Orla, preâmbulo para o terror da Av. Niemeyer rumo à Barra da Tijuca.

A razão de escrever foi motivada por uma pessoa que estava na mesma condução, daquelas carentes de papo, que resmungam sozinhas até que alguém lhes dê atenção. E eu dei.

Olhando o rio que se formava em ruas como a Figueiredo Magalhães e a Serzedelo Correia, ela comentou:
- Que absurdo!

Eu, inicialmente, ignorei, mas ela continuou:
- Isso é um absurdo!

Tentei não entrar na conversa, até que ela falou:
- Ninguém merece!

Aí, eu não aguentei, não só porque odeio esta expressão, como também porque acho que "alguém" merece. Então, lhe disse:
- Perdão, mas eu acho que merece sim... todo Carioca merece isso. O Carioca suja as ruas e acha que o bueiro entupido é culpa do prefeito ou do governador. O Carioca ajuda a entupir as galerias pluviais da cidade.

Acho que a pessoa não gostou muito do meu comentário, porque virou para o outro lado, irritada com a minha colocação. Sei que consegui alguma coisa : sensibilizá-la, ou me livrar dela ... e fiquei curtindo o arco-íris que se formava...

Ciao!

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Última Parada 174

Ciao!

Depois da avalanche de filmes sobre a realidade nua e crua do submundo, como Cidade dos Homens, Meu nome não é Johnny, Tropa de Elite, Carandiru, Cidade de Deus e etc., confesso que fui assistir ao último filme do Bruno Barreto meio desconfiado de que seria apenas “mais um”. Grata surpresa, não foi.

O filme é pesado, sequer consegui sorrir nas horas em que algumas pessoas riam por achar graça. Não teve graça.

A história é muito bem contada e tão bem representada que, em dado momento, a teatralização se funde com a realidade e a impressão é de que não há atores.

Não vá ao cinema para odiar o seqüestrador do ônibus 174. Vá para conhecer a história e tirar suas próprias conclusões, fazer suas próprias escolhas.

Depois que saí da sala, dei de cara com um moleque dormindo na calçada da Praia de Botafogo, e o que senti foi diferente do que sentia antes.

Ciao!

Boas Práticas

Ciao!

Manter um blog é muito mais complicado do que parece. Sempre há sobre o que escrever, mas as prioridades do dia-a-dia é que determinam a freqüência da atualização. Por conseguinte, da visitação também!

Hoje tomei uma decisão: divulgar o blog para os amigos. A idéia iniciou em Maio/2008, mas à época, pensei em deixar o blog “de molho”. Uma boa prática que mantenho é: escrever, esconder e, depois, encontrar e reler, até quando não houver mais a necessidade de ajustes, de revisões. O texto, então, estará pronto.

Hoje, Novembro/2008. Reli e gostei. Então, é o retorno com divulgação.

Ciao !

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Concordância

Ciao!

Comecei a semana com vontade de escrever sobre a origem das palavras, várias palavras que repetimos diariamente e sequer damos valor à origem das mesmas. Isso é tão importante que, às vezes, quando não sabemos o significado de um determinado verbete , invariavelmente, por sua semelhança com outros que já conhecemos, acabamos por fazer idéia do seu significado.

É o exemplo de palavras como vilipendiar (tornar vil), misantropo (oposto de filantropo), etc.

Mas vou deixar este tema na prateleira, por um tempo, porque hoje me chamou à atenção uma palavra sobre a qual eu gostaria de falar, mas não por sua origem e, sim, por seu significado... A palavra é concordância!

Não existe concordância verbal e concordância nominal? Concordâncias de gênero, número e grau? Então, que tal falarmos da concordância fraternal?

Não podemos ter sempre a mesma opinião, nem sempre é possível gostar das mesmas coisas, mas é fundamental concordar com o outro, em respeito às individualidades de cada um, seus valores. Suas idiossincrasias. Suas histórias de vida!

Deixo aqui meu desejo por um mundo com mais concordância.

Ciao!

terça-feira, 3 de junho de 2008

Atitude : Saúde

Ciao!

A maioria da população economicamente ativa é composta por indivíduos ansiosos. Comer é a forma mais rápida de vencer a ansiedade. Come-se mais. Come-se mal.
Conclusão : A maioria da população economicamente ativa, muito provavelmente, está acima do peso recomendado, ou melhor, com percentual de gordura acima do desejável.

Partindo desta premissa, encontramos indivíduos frustrados com seu próprio corpo e sua estética, poucos realmente preocupados com a sua saúde. E a busca estética leva estes a procurarem procedimentos pouco ortodoxos, porém, difundidos e de resultado aparentemente comprovado : as dietas milagrosas. Quem nunca fez, ou não conhece alguém que já fez? Raro.

A maioria dos homens e mulheres resolve agir quando o mal já está instalado, sendo que alguns vão mais além e lançam mão de cirurgias plásticas e de redução de estômago.
Conclusão : A maioria dos homens e mulheres só têm preocupação estética, tardia e, muitas vezes, colocam em risco a própria saúde para reverter o quadro.

Manter uma dieta exige do indivíduo, invariavelmente, uma carga de força de vontade que, usualmente, não combina com a ansiedade que está sendo experimentada. As dietas milagrosas são verdadeiras torturas alimentares, ou seja, come-se em quantidades reduzidas e, ainda por cima, alimentos “sem-graça”.

Ainda que se consiga perseguir o objetivo de se "comer pouco com gosto de nada”, a autopercepção mostra que algo não está funcionando, pois o corpo permanece gordo. Normalmente, esta discrepância provoca ainda mais ansiedade e, não raro, a interrupção da dieta ou algum tipo de surto no qual, como se diz na gíria, “chuta-se o balde”. O emagrecimento é uma conseqüência de quando se pratica atitudes saudáveis, quando se age como uma pessoa de hábitos saudáveis agiria.

Para que se goze de boa saúde e de um metabolismo eficaz, é preciso saber entender o próprio físico, o funcionamento do organismo e, acima de tudo, conhecer as propriedades dos alimentos e seus efeitos sobre o corpo. É de suma importância conhecer a combinação entre alimentação, horário e prática de exercícios, para que se alcance o objetivo. O nutricionista tem papel fundamental neste entendimento. O profissional atua, primeiramente, determinando um plano alimentar saudável e variado e, em seguida, monitorando os resultados.

Ciao!

terça-feira, 27 de maio de 2008

Olhar Interior

Ciao!

Fecho os olhos e vejo. E o que vejo, às vezes, se torna sonho. E o bom dos sonhos é que você entrega o curso da história ao incosciente, ou subconsciente, e deixa as maiores loucuras invadirem o que, antes, era um simples pensamento, uma simples visão de olhos fechados. Fechados para fora e bem abertos para dentro.

Hoje foi um dia de grandes lições ... A lição n° 1 é de grande valia : o tempo é algo que podemos fazer, criar, mas também podemos destruir, aniquilar... A segunda grande lição do dia é : o ser humano é capaz de amar alguém que não seja ele próprio ... não obstante, também é capaz do egoísmo mais atroz.

Aproveitando o ensejo, já que o assunto é Lições de Vida, recomendo o livro A Última Grande Lição, do Mitch Albom. Fantástico!

Ciao!

sexta-feira, 23 de maio de 2008

Vovô, Metonímia e Sinédoque

Ciao!

Na semana passada, fui almoçar com o meu pai num restaurante no Leblon. Normalmente, quando nos encontramos para colocar a conversa em dia, já temos em pauta os assuntos sobre os quais usualmente falamos : mamãe, que é falecida e que nos traz muita saudade; o Mengão, que é nossa alegria e, também, um "Ai, Jesus!"; etc. Mas, vez por outra, surgem novos tópicos, movidos pela minha curiosidade em saber quem eu sou, de onde eu vim, como era a vida daqueles que me antecederam.

Aí, surgiu o assunto "Vovô". Vovô Giácomo. Giácomo Fucci, ou Fucci Iacoluccio, como era conhecido na Itália. Veio para o Brasil com 16 anos de idade, fumou na viagem inteira os cigarros que estavam no navio e que não poderiam desembarcar aqui. Ali, começou o seu (meu) vício, que o levou à morte em 1996, com 86 anos. Sofreu, sim, mas nunca deixou de fazer nada até os 85 anos por causa da vida desregrada que levou. Sofreu, sim, mas levou com ele a minha admiração, talvez por desconhecimento de muitas histórias, mas pelo conhecimento de tantas outras.
Dizia que eu era um "bom garfo", substituindo o instrumento pela causa ativa, em metonímia frequentemente repetida por ele sempre que me via.

Ele tinha prazer em me ver comer como ele: muito, e com alegria.
Hoje, lendo sobre Charlie Kauffman em Cannes, no lançamento de seu "Synecdoche, New York", procurei o termo no Aurélio e no Wikipedia e, encontrando "Metonímia", suas variações e alguns de seus exemplos, me deparei com o termo "bom garfo" que remete aos almoços de Domingo, em Copacabana.

Segue a lista completa:

Metonímia
Chama-se de metonímia uma figura de linguagem que consiste no emprego de um termo por outro, dada a relação de semelhança ou a possibilidade de associação entre eles.
Formas de uso :


  • Efeito pela causa: Sócrates tomou a morte. (O efeito é a morte, a causa é o veneno.)
  • Causa pelo efeito: Por favor, não fume dentro de casa: sou alérgica a cigarro. (O cigarro é a causa: a fumaça, o efeito. Podemos ser alérgicos a fumaça, mas não ao cigarro)
  • Marca pelo produto: O meu irmãozinho adora danone.(Danone é a marca de um iogurte; o menino gosta de iogurte)
  • Autor pela obra: Lemos Machado de Assis por interesse. (Ninguém, na verdade, lê o autor, mas as obras dele em geral.)
  • Continente pelo conteúdo: Bebeu o cálice da salvação. (Ninguém engole um cálice, mas sim a bebida que está nele.)
  • Possuidor pelo possuído: Ir ao barbeiro. (O barbeiro trabalha na barbearia, onde se vai - de fato, ninguém vai a uma pessoa, mas ao local onde ela está)
  • Matéria pelo objeto: Quem por ferro mata... (ferro substitui, aqui, espada)
  • O lugar pela coisa: Uma garrafa de Porto. (Porto é o nome da cidade conotada com a bebida - mas não é a cidade que fica na garrafa, mas sim a bebida.)
  • O instrumento pela causa ativa: Sou um bom garfo. (em substituição de "alguém que come bastante").
  • A coisa pela sua representação = sinal pela coisa significada): És a minha âncora. (em substituição de "segurança").
  • Parte pelo todo: A mão empurrou o carrinho do bebê. (na verdade quem empurra o carrinho é a pessoa e não só a mão)
SinédoqueA sinédoque é um caso especial de metonímia, onde se troca a palavra que indica o todo de um ser por outra que indica apenas uma parte dele. Exemplo:
  • O rebanho tinha mil cabeças. (cabeça [parte] -> animal [todo])
    Ou o singular pelo plural:
  • O homem, que é mortal, imortaliza-se por meio de suas conquistas.
Ciao!

quarta-feira, 21 de maio de 2008

Inaugural

Ciao!

Como uma certa pessoa me falou, quem escreve, simplesmente, escreve. Para isso, é preciso dar o pontapé inicial, sair da inércia. Logo a seguir, as idéias vão se atirando no papel. Ou no teclado. Ou na tela.

Não sei se é o caso de todos os que escrevem mas, no meu caso, eu preciso de uma ajudinha extra : inspiração. Tudo pode ser inspirador : a raiva, a dor, o amor, a saudade, a tristeza, a euforia. Assim, nascem meus textos, nascem minhas músicas, nasce minha obra.

Obra?? Que chique! Quem falou em obra? Tem alguém obrando aqui?

Este é o meu blog. Aqui, pretendo compartir do que penso, do que sinto, enfim, do que escrevo.

Ciao!