quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

A Presidenta

Ciao!

Recebi um e-mail de um amigo que mora em Lisboa, me contando que a Dilma Roussef e seus sequazes estão matando de vergonha os brazucas que lá vivem, ao veicularem aos quatro cantos o título de Primeira "Presidenta" do Brasil.

Segue o trecho, muito bom :

"...Presidenta! Mas, afinal, que palavra é essa totalmente inexistente em nossa língua? Bem, vejamos:

No português existem os particípios ativos como derivativos verbais. Por exemplo: o particípio ativo do verbo atacar é atacante, de pedir é pedinte, de cantar é cantante, de existir é existente, de mendicar é mendicante.

Qual é o particípio ativo do verbo ser? O particípio ativo do verbo ser é ente. Aquele que é: o ente. Aquele que tem entidade. Assim, quando queremos designar alguém com capacidade para exercer a ação que expressa um verbo, há que se adicionar à raiz verbal os sufixos ante, ente ou inte.

Portanto, a pessoa que preside é PRESIDENTE, e não "presidenta", independentemente do sexo que tenha. Se diz capela ardente, e não capela "ardenta"; estudante, e não "estudanta"; adolescente, e não "adolescenta"; paciente, e não "pacienta".

Um bom exemplo seria:

A candidata a presidenta se comporta como uma adolescenta pouco pacienta que imagina ter virado eleganta para tentar ser nomeada representanta. Esperamos vê-la algum dia sorridenta numa capela ardenta, pois esta dirigenta política, dentre tantas outras suas atitudes barbarizentas, não tem o direito de violentar o pobre português, só para ficar contenta..."

Tenham uma ótima semana, e olho no portuga!
Ciao!

3 comentários:

José Rui Viana disse...

Pois é, e o que me deixa mais impressionado são os jornais se referindo a ela como Presidenta, como pode isso?

Paulo Peltier Fucci disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paulo Peltier Fucci disse...

Acredito que, em português do Brasil, empregar a palavra desta forma não esteja errado, apesar de ser horroroso. Infelizmente, o português "abrasileirado" é uma realidade e, com o passar do tempo, algumas bizarrices acabam sendo incorporadas ao nosso vocabulário. Não duvido que, daqui a 100 anos, "pobrema" seja um vocábulo encontrado no pai dos burros...

Grande Zé Rui! Obrigado pela visita, amigo!
Um abraço do Pescador!